Publicado em 08/10/2018 às 19h40.

Autor da morte de artista que criticou Bolsonaro confessa motivação política

O agressor possui duas passagens pela polícia, uma delas ocorreu após ameaçar uma criança de 14 anos com uma tesoura

Redação
Foto: Alberto Maraux / SSP
Foto: Alberto Maraux / SSP

 

O barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos, confessou em depoimento à polícia que foi o autor das 12 facadas que levaram à morte o mestre de capoeira e ativista cultural negro Romualdo Rosário costa, de 63 anos, conhecido como Moa do Katendê.

O barbeiro admitiu que cometeu o crime após uma discussão política na madrugada desta segunda-feira (8), após o resultado do primeiro turno das eleições deste ano. O crime ocorreu em um bar na Avenida Vasco da Gama, próximo ao Dique do Tororó, na comunidade do Dique Pequeno.

Paulo Sérgio foi à imprensa essa tarde no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na Pituba, após ser detido por policiais militares em sua casa.

De acordo com depoimentos à polícia, a briga teria sido iniciada entre Paulo Sérgio, que votou e defendeu candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), e o dono do bar, apoiador do presidenciável Fernando Haddad (PT). O mestre de capoeira entrou na discussão criticando o capitão reformado do Exército.

A confusão foi encerrada e o barbeiro teria pago a conta e seguido para casa. Mas, cerca de dez minutos depois, retornou com uma peixeira e efetuou o crime. À polícia ele detalhou que atingiu a vítima pelas costas, atingindo também o pescoço do capoeirista.

Segundo o Estadão, minutos depois, à imprensa, Paulo Sérgio se contradisse ao afirmar que a discussão teve a ver com uma divergência sobre futebol e não com política.

Um sobrinho do mestre de capoeira, que tentou defendê-lo do ataque, também foi ferido, e encontra-se internado no Hospital Geral do Estado (HGE). Germinio Pereira, de 51 anos, foi atingido no braço e não corre risco de vida.

Fuga – Em nota, a Polícia Militar da Bahia (PM-BA) informou que, quando foi encontrado, Paulo Sérgio já estava com uma mochila com roupas no intuito de fugir.

Antes de ser preso, ele ainda foi levado para o HGE para ser medicado – pois estava com um corte no dedo – e depois apresentado no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

O barbeiro vai ser indiciado por homicídio e tentativa de homicídio. Ele tinha outras duas passagens pela polícia, segundo a SSP. Em 2009, ameaçou uma criança de 14 anos com uma tesoura após ser abordado pelo garoto, que pedia esmola. Em 2014, ele se envolveu em uma briga de rua.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.