Publicado em 02/12/2019 às 14h18.

Multas apagadas são irrecuperáveis, diz Transalvador

444 multas foram deletadas do sistema do órgão

Redação
Foto: Divulgação/ Astram
Foto: Divulgação/ Astram

 

A Transalvador informou que as multas que foram irregularmente apagadas do sistema do órgão, pelo funcionário terceirizado alvo de uma operação, nesta segunda-feira (2), não podem mais ser recuperadas. Por conta disso, os condutores beneficiados pelo esquema não serão cobrados pelas infrações.

Em coletiva, o superintendente da pasta, Fabrizzio Muller, informou que a fraude foi descoberta após uma denúncia anônima feita na ouvidoria. A fraude estava sob investigação do Ministério Público da Bahia (MP-BA), pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco).

O funcionário prestava serviços ao órgão de trânsito desde 2008, porém ainda não se sabe há quanto tempo ele fraudava o sistema. O homem era assistente operacional e trabalhava no setor de processamento de infrações.

Nos três meses em que a atividade do investigado ficou sob monitoramento, após a denúncia, 444 multas foram deletadas do sistema do órgão. A fraude gerou um prejuízo de R$ 84 mil aos cofres públicos.

O suspeito foi afastado do serviço e demitido da empresa terceirizada na qual trabalha. A promotora de Justiça e coordenadora do Gaeco, Ana Emanuela Meira, informou que o homem ainda será ouvido, mas está impedido de deixar a cidade, deve se apresentar à Justiça todos os dias, e deverá ser preso.

PUBLICIDADE
Temas: fraude , Multa , PRF , Transalvador