Publicado em 17/11/2021 às 11h17.

Bruno Reis não descarta exigir vacinação de servidores públicos municipais

No entanto, prefeito afirma que no momento tem usado a 'estratégia do convencimento', pois os números de servidores não vacinados são muito baixos

Adriano Villela / Leilane Teixeira
Foto: Leilane Teixeira/bahia.ba
Foto: Leilane Teixeira/bahia.ba

 

A adoção de um decreto obrigando os servidores municipais a se vacinarem não foi descartada pelo prefeito Bruno Reis, porém não é uma medida que poderá acontecer com brevidade, pois, segundo o gestor, o número de servidores municipais que não se vacinaram são baixos.

“No momento minha estratégia tem sido a do convencimento, porque os números de servidores públicos que não se vacinaram em Salvador são baixíssimos. Nós estamos ainda na parte da conscientização, no processo de convencimento, mas não descarto essa medida, e outras para a população em geral, caso a gente não cumpra um número satisfatório”, comentou o prefeito durante ato em que divulgou as sugestões contempladas pelo programa Ouvindo Nosso bairro, nesta quarta (17).

Bruno Reis argumentou ainda que em outubro 2,6 mil servidores municipais não tinham se vacinado ainda – em torno de 7% do total. “determinei que cada secretário, cada dirigente chamasse eles para convencer, mostrar a importância da vacinação. Esse número hoje está abaixo de mil.”

Em uma medida que já vinha sendo anunciada em declarações anteriores, o governador Rui Costa publicou, na edição do Diário Oficial desta quarta, a obrigatoriedade da imunização por parte de servidores e empregados públicos do estado. A decisão estabelece que a recusa em se submeter à vacinação, sem justa causa, é passível de apuração de responsabilidade pelo não cumprimento de ordem superior, conforme estabelecido nos incisos III e IV do art. 175 da Lei nº 6.677, de 1994, e no inciso IV do art. 51 da Lei nº 7.990, de 2001.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.