Publicado em 23/02/2016 às 19h44.

Roubo de cabos elétricos prejudica iluminação pública

Semop tem intensificado a fiscalização com apoio da Polícia Militar e da Guarda Municipal e vai realizar operações em pontos de recepção do material roubado

Redação
Foto: Gabriel Lima/Agecom
Foto: Gabriel Lima/Agecom

 

Além das pichações em monumento recém-recuperados, o vandalismo em Salvador tem causado prejuízos à segurança da população. Conforme identificou a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) muitos apagões em vias públicas são decorrentes de roubo de cabos elétricos, o que causa danos na rede, risco à segurança das pessoas e interferência na iluminação pública.

De acordo com o diretor de Iluminação da Semop, Bruno Barral, as ações dos vândalos geram insegurança, já que a falta de energia deixam tudo no escuro, e também causam prejuízos aos cofres municipais, porque geram mais gastos para a prefeitura com reposições necessárias.

O vandalismo é responsável por gastos extras para a reposição de material superiores a R$ 600 mil, conforme revelou Barral em 2014, e quase R$ 500 mil no ano passado, dinheiro que sai do bolso do cidadão. Em janeiro deste ano os custos já somam R$ 81.158,49.

Na semana passada foram registradas quatro ocorrências de grande impacto na cidade, conforme a Diretoria de Iluminação Pública (Dsip/Semop). Na região do Jardim dos Namorados, um curto-circuito queimou cabos e condutores de energia, responsáveis por alimentar a iluminação no local, problema decorrente de uma instabilidade na rede devido ao número de emendas feitas para restabelecer as ligações interrompidas por cortes para roubo dos fios.

Outro caso aconteceu em uma passarela da Avenida Tancredo Neves, por causa de ligações clandestinas feitas por vendedores ambulantes. Também foram registrados apagões na iluminação pública do viaduto que liga o Vale do Canela ao bairro da Graça, provocados pelo roubo de cabos. Em Patamares, uma tentativa de furto causou a destruição do quadro de energia, responsável por parte da iluminação na Avenida Pinto de Aguiar.

Outros pontos da cidade com recorrentes problemas com vandalismo são a Boca do Rio, na praça construída próximo ao antigo Clube do Bahia, e o Complexo Viário Dois de Julho, em São Cristóvão, próximo ao Aeroporto. Em Itapuã, o uso da rede elétrica que abastece a iluminação pública para gatos de energia também tem gerado constantes pontos de escuridão.

 

Para combater o problema, a Semop tem intensificado a fiscalização com apoio da Polícia Militar e da Guarda Municipal, informou Bruno Barral, ao acrescentar que serão realizadas operações com a Sucom nos pontos de recepção de cabos roubados. As empresas precisam apresentar nota fiscal para comprovar a origem do material comercializado. “Existe um mercado ilegal de compra e venda desses fios de cobre, oriundos da iluminação pública, que precisa ser combatido. Pedimos o apoio da população nessa vigilância, denunciando seja por meio dos canais da Prefeitura – 156 e sistema Fala Salvador –, ou pelo 190 da Polícia Militar”, complementa Barral. Com informações do Correio.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.