Publicado em 21/03/2016 às 14h55.

Gravação revela que ‘saída do rapaz’ adiou viagem de Lula

Na avaliação dos investigadores, diálogo faz referência ao ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, hoje advogado-geral da União

Agência Estado
lula e cardozo
Imagem de arquivo mostra Lula e ‘o rapaz’ nos bons tempos (Foto:Gazeta do Povo)

 

Em grampo da Operação Aletheia, o ex-presidente Lula combinou com o então ministro chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, que não iria a Brasília “por conta da saída do rapaz”. “Rapaz”, na avaliação dos investigadores, era uma referência ao ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, hoje ministro chefe da Advocacia Geral da União (AGU).

Oficialmente, Cardozo pediu para sair da Justiça, o que ocorreu dias antes do estouro da Aletheia, missão integrada da Polícia Federal e da Procuradoria da República que pegou Lula – essa investigação mira o Instituto Lula e a LILS Palestras e Eventos, do ex-presidente, e atribui ao petista a propriedade do sítio Santa Bárbara, localizado no município de Atibaia, interior de São Paulo, o que é negado veementemente pela defesa.

O grampo é de 1.º de março, 8h19. O diálogo mostra que o ex-presidente estava de viagem marcada para Brasília. A cadeira de Cardozo na pasta da Justiça foi assumida pelo subprocurador-geral da República Eugênio Aragão.

Lula era um crítico de Cardozo porque o ex-ministro não teria controle sobre a Polícia Federal.

Três dias depois da conversa com Wagner, o ex-presidente foi pego na Aletheia e conduzido coercitivamente para depor em uma sala no Aeroporto de Congonhas em São Paulo. Foram quase três horas de depoimento.

“Ô galego, deixa eu te dizer uma coisa. Eu tava pensando se não era o caso de eu não ir a Brasília hoje”, disse Lula.

“Por conta da saída do rapaz”, respondeu Jaques Wagner.

“Por conta da saída do rapaz, ou seja…”

“Isso ela (presidente Dilma Rousseff) se preocupou ontem.. depois vão dizer que ele (Lula) só veio aqui pra comemorar o bota-fora.”

“É isso, então eu acho que era melhor eu não ir, sabe?”, disse Lula.

“Deixar pra semana”, disse Wagner.

“Deixar pra semana porque você veja, o Globo já fez editorial, acho que era importante alguém responder sabe, editorial tentando cagar (sic) em cima do governo.”

“Eu nem vi, dizendo o quê?”, perguntou o então ministro da Casa Civil.

“Ah, mostrando que essa troca [no Ministério da Justiça] não pode significar.. é colocando medo no novo ministro da Justiça ”

“Não, e dizendo que eu que arrumei um cara pra poder resolver, é isso?”

“É isso.”

“Você vê que eu sou foda (sic), né?”

“Então, eu tava pensando em não ir hoje não, Wagner… você conversar com ela é melhor.”

“Tá bom, ela teve a mesma preocupação que você, tanto que ficou ‘é melhor sexta… é melhor quarta’.”

Lula muda de assunto:

“Eu tive uma bela reunião com a CUT ontem, com todo o bureau central da CUT… muita raiva, mas muita compreensão.”

“Muita raiva, né?”

“É, mas muita compreensão também. Eu falei com eles, sabe? Eles querem conversar, sabe, o que acontece é que eles precisam ser tratados com um pouco mais de carinho caraio (sic) , eles são aliados é? Então deixa eu te contar, fala com ela que é melhor ficar pra outro dia. Pode ser essa semana ainda, pode ser a semana que vem. Como é que tá a agenda dela?”

“Fim de semana, se ela topar tudo bem, também?”, sugeriu Wagner.

“Tudo bem.”

“Bom eu vou conversar com ela a gente volta a se falar.”

“Tudo bem. Ela já tinha levantado essa preocupação ontem”, reiterou o então ministro da Casa Civil.

“Ah, perfeito, um abraço, tchau.”

O Instituto Lula não comenta os grampos da Operação Aletheia.

PUBLICIDADE