Publicado em 14/01/2019 às 07h46.

Odebrecht usava policiais militares para distribuir R$ 120 milhões em propina

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o sistema distribuiu cerca de R$ 37,9 milhões em São Paulo e R$ 81,8 no Rio de Janeiro entre 2011 e 2014.

Redação
Foto: Divulgação/Odebrecht
Foto: Divulgação/Odebrecht

 

A construtora baiana Odebrecht usava policiais militares para a entrega de propinas a políticos e agentes públicos em diferentes estados do país, aponta uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo a publicação, o sistema distribuiu cerca de R$ 37,9 milhões em São Paulo e R$ 81,8 no Rio de Janeiro entre os anos de 2011 e 2014.

A reportagem diz ainda que os policiais realizavam o trabalho por meio de empresas de transporte de valores. Uma delas era a Transnacional, onde eles chegavam à garagem e recebiam uma relação de endereços, recibos e senhas e saíam em carro-forte.

Pelo menos oito PMs da ativa ou aposentados atuaram na distribuição de dinheiro da Odebrecht, ganhando R$ 180 por dia de trabalho no estado de São Paulo.

Os detalhes foram passados à Polícia Federal e a procuradores e promotores de São Paulo e do Rio pelos próprios policiais e por funcionários das empresas envolvidas em uma série de depoimentos concedidos no ano passado nos inquéritos da Lava Jato.