Publicado em 17/08/2016 às 10h20.

Agentes penitenciários paralisam atividades por 72 horas

Entre as reivindicações, a categoria quer o fim da terceirização da atividade, considerada por eles ilegal, e a contratação dos agentes aprovados

Redação
Foto: Adenilson Nunes/Secom
Foto: Adenilson Nunes/Secom

 

Os agentes penitenciários começaram, nesta quarta-feira (17), uma paralisação de 72 horas, que suspende a realização de alguns serviços no sistema prisional do estado. Conforme o Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado da Bahia (Sinspeb), ficam suspensas as visitas, transporte de presos, atendimento a advogado e qualquer outra atividade externa que não seja de urgência, enquanto o movimento durar.

No Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador, os servidores decidem em assembleia uma greve por tempo indeterminado. Entre as reivindicações, a categoria quer o fim da terceirização da atividade, considerada por eles ilegal, e a contratação dos mais de mil agentes aprovados em concurso, realizado em 2014, que aguardam chamada do governo.

De acordo com eles, acampados há 114 dias na área verde da Assembleia Legislativa, o concurso teve prazo de validade de um ano, prorrogado por mais um. Caso não sejam contratados até novembro, perde a validade.

Os agentes reclamam também da contratação de terceirizados para atuarem na unidade prisional de Vitória da Conquista, que será inaugurada na próxima segunda-feira (22).

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.