Publicado em 15/11/2015 às 12h31.

Empresários baianos presos por fraude de licitações e sonegação

O valor estimado do prejuízo causado pelas fraudes fiscais é de R$ 4,5 milhões.

Julio Reis

Três empresários baianos foram presos até aqui pela operação Aleteia que investiga um esquema de fraude contra o fisco estadual, além participações desleais em licitações públicas do governo do estado, da prefeitura de Salvador e de outros municípios baianos.

Rafael Prado Cardoso, Ariana Nasi e César Mattos, que já foram presos, são acusados de montar empresas em nome de laranjas que ofereciam preços mais baixos em licitações públicas, mas sem entregar os produtos na qualidade requerida pelos contratos. Os produtos variavam de material escolar e escritório, até medicamentos e brinquedos.

Também foi presa Maria de Fátima Andrade, uma laranja cúmplice no esquema. Segundo a Secretaria de Fazenda do Estado, os laranjas que não foram cúmplices e ignoravam a situação serão interrogados, mas não tiveram mandados de prisão expedidos. Cinco mandados de prisão continuam em aberto dois deles contra dois irmãos, também empresários, de César Mattos.

Juntos os empresários citados possuíam 25 empresas e operavam em parceria para vencer licitações. Rafael Prado e Ariana Nasi foram presos em São Paulo, enquanto Maria de Fátima e César Mattos em Salvador.

Segundo a Sefaz, que participa da força tarefa da operação Aleteia, não foi identificado nas investigações a participação de funcionários públicos no esquema.

PUBLICIDADE