Publicado em 01/07/2020 às 20h00.

Polícia Civil fará reconstituição da morte do miliciano Adriano da Nóbrega

Ex-capitão da PM do Rio de Janeiro foi morto em confronto com a PM baiana, em Esplanada, no dia 9 de fevereiro deste ano

Arivaldo Silva
Foto: Divulgação/ SSP-RJ
Foto: Divulgação/ SSP-RJ

 

A reconstituição da morte do miliciano Adriano da Nóbrega será realizada pela Polícia Civil da Bahia. O ex-capitão da Polícia Militar do Rio de Janeiro foi morto em confronto com a PM baianano dia 9 de fevereiro deste ano, na zona rural da cidade de Esplanada. A informação é da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA)

De acordo com a SSP-BA, ainda não há previsão da data em que a reprodução simulada será feita, por causa da pandemia do coronavírus. Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como Capitão Adriano, era alvo de um mandado de prisão expedido em janeiro de 2019 e era considerado foragido até de ser encontrado na cidade baiana.

Na época em que foi morto, a SSP-BA afirmou que ele era suspeito de envolvimento no assassinato de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018. O nome do miliciano, no entanto, não consta do inquérito que investiga a morte da vereadora.

Também na época da morte do miliciano, a SSP-BA informou que Adriano da Nóbrega foi encontrado na casa por equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Litoral Norte e da Superintendência de Inteligência (SI), da SSP-BA. O imóvel é um sítio do vereador Gilsinho da Dedé, do PSL de Esplanada.

No momento do cumprimento do mandado de prisão, Adriano resistiu com disparos e acabou ferido. Ele chegou a ser socorrido e levado a um hospital da região, mas não sobreviveu.

Segundo a secretaria, os policiais apreenderam com Adriano, uma pistola austríaca calibre 9mm. Dentro do imóvel, as equipes teriam encontrado mais três armas e 13 celulares. A operação, que terminou com a morte de Adriano, foi uma ação conjunta da SSP-BA e da Secretaria de Polícia Civil do Rio de Janeiro (Sepol).