Publicado em 28/04/2017 às 14h20.

Em entrevista, filha de Temer defende aborto e legalização das drogas

No ano passado, a advogada Luciana Temer, de 47 anos, também "causou" ao se declarar contra o impeachment de Dilma e por trabalhar com o petista Fernando Haddad

Redação
Luciana Temer / Reprodução Youtube
Luciana Temer / Reprodução Youtube

 

A filha do presidente Michel Temer, Luciana Temer, de 47 anos, volta a manifestar posições contrárias ao pensamento político dele: em entrevista à revista Marie Claire, publicada nesta sexta-feira (28), defende a legalização do aborto, das drogas e da prostituição. A primeira vez em que ela chamou a atenção do público foi durante o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff – por integrar a equipe do então prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) e por não aprovar o afastamento da petista.

Na entrevista, ela comenta o polêmico discurso do presidente no dia das mulheres – no qual enaltece o papel feminino na criação dos filhos e na economia doméstica: “É o discurso que eu gostaria de ouvir no Dia Internacional da Mulher? Não. Mas é o que ele acredita e falou para muitas mulheres que vivem dessa forma”, pondera.

Sobre a questão das drogas, a advogada, que admite ter experimentado maconha quando jovem, defende a legalização como melhor caminho. “A proibição já deu errado. Nos últimos dez anos, dobramos o sistema prisional brasileiro. O causador disso foi o tráfico de entorpecentes, que passou de quarto para primeiro motivo de prisões. Quem vai preso? O preto, o pobre, o da periferia, a mulher que levou droga pro marido.”, justifica.

Em relação à impopularidade do presidente, Luciana admite se sentir “desconfortável” quando ouve um “Fora Temer”. E narra um episódio em que transformou uma típica “saia justa” em momento de descontração:  “Uma vez, eu estava fazendo uma plenária com o [ex-prefeito Fernando] Had­dad e uma líder comunitária subiu no palco e falou: ‘Não aguento, sou vermelha desde criancinha. Fora, Temer!’. Eu estava no palco. Ficou um silêncio. Peguei o microfone e falei: ‘Mas não eu, tá?’. Todo mundo riu.

Mãe de Pedro, 14 anos, e Marina, 14, Luciana dá aulas de direito na PUC e na Uninove, em São Paulo, além de comandar o Instituto Liberta, criado em janeiro deste ano.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.