Publicado em 03/01/2022 às 10h41.

‘Grave risco à saúde pública’, afirma Anvisa sobre cruzeiros

Agência reiterou recomendação para suspensão da temporada e abriu investigações sobre descumprimento dos protocolos nas embarcações

Redação
Foto: Clia Brasil
Foto: Clia Brasil

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reiterou a recomendação para a suspensão da atual temporada de cruzeiros, iniciada em novembro. Dos cinco navios que operam no país, três registraram casos de infecção pelo novo coronavíros: os MSC Splendida e Preziosa (foto) e o Costa Diadema, que ficou atracado em Salvador no último dia do ano passado. A agência passou a propor que nenhum embarque seja feito nos próximos dias.

“Em razão do grave risco à saúde da população, a Anvisa já recomendou ao Ministério da Saúde, desde o dia 31/12, que a posição sobre a temporada de navios de cruzeiro disposta na Portaria GM/MS 2.928/2021 seja revista até que o cenário sanitário e epidemiológico seja reavaliado”, afirmou a Anvisa, em nota divulgada no domingo (2).

Segundo o órgão, a recomendação leva em consideração a mudança  no cenário epidemiológico, o risco de prejuízos à saúde dos passageiros e a imprevisibilidade das operações (que podem ser suspensas), “em especial diante do aumento vertiginoso de casos de Covid-19, com identificação de surtos a bordo das embarcações que operam na costa brasileira”.

A Anvisa não citou o documento da Clia Brasil – associação das empresas do setor de cruzeiros – que questionou a orientação pela suspensão, arguindo que os protocolos vêm sendo cumpridos. Segundo a agência, “as investigações conduzidas nos últimos dias demonstram que o vírus Sars-CoV-2 se espalha facilmente entre pessoas próximas a bordo de navios, ou seja, a chance de contrair Covid-19 em navios de cruzeiro é alta”. O órgão também abriu investigação para apurar o descumprimento dos protocolos.

 

 

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.