Publicado em 03/12/2020 às 07h36.

Grupo de ex-trabalhadores denuncia Arsenal da Marinha na OEA

Ex-trabalhadores foram demitidos como uma retaliação por terem se filiado ao movimento sindical e aderido a uma greve em 1985

Redação
Foto: Marinha divulgação
Foto: Marinha divulgação

 

Um grupo de 21 ex-trabalhadores do Arsenal de Marinha que protestaram contra as condições de trabalho no fim da ditadura militar apresentou uma denúncia contra o Brasil na Organização dos Estados Americanos (OEA) por violação dos direitos humanos.

Segundo a coluna de Guilherme Amado, da revista Época, protocolada na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, a denúncia afirma que o STF agiu com demora excessiva para julgar um pedido apresentado em 2013 pelo grupo, que solicita uma reparação de danos e o reconhecimento como anistiados políticos.

Os ex-trabalhadores foram demitidos como uma retaliação por terem se filiado ao movimento sindical e aderido a uma greve em 1985, último ano da ditadura militar, em protesto ao tratamento recebido de militares e demandando melhores condições de trabalho.

O Arsenal de Marinha é uma organização militar da Marinha e tem o objetivo de gerenciar e executar programas de construção e reparo naval. Procurado pela publicação, o Arsenal da Marinha não respondeu