Publicado em 21/10/2021 às 13h21.

Loja Zara criou código para ‘alertar’ entrada de negros em loja, diz polícia

Durante a investigação de um caso de racismo, sofrido pela delegada Ana Paula Barros, Polícia Civil descobriu um código utilizado para funcionários ficarem atentos e acompanharem pessoas negras

Redação
Foto: Divulgação/Shopping Leblon
Foto: Divulgação/Shopping Leblon

 

A Polícia Civil do Ceará descobriu, durante a investigação de um caso de racismo, sofrido pela delegada Ana Paula Barroso ao ser proibida de entrar na loja Zara na noite do dia 14 de setembro, um código utilizado na loja para funcionários ficarem atentos e acompanharem pessoas negras ou com “roupas simples” que entrassem no estabelecimento.

Segundo a Polícia Civil, o código “Zara Zerou” era dito por meio dos auto-falantes da loja no Shopping Iguatemi, em Fortaleza. A Zara negou as acusações.

O delegado-geral da Polícia Civil do Ceará, Sérgio Pereira, explicou como funcionava o procedimento. De acordo com testemunhas, ele afirmou que os funcionários da loja eram orientados a identificar pessoas com estereótipos “fora do padrão da loja”. “A partir dali, ela era tratada como uma pessoa nociva, que deveria ser acompanhada de perto.”

Uma segunda investigação sobre outro caso de racismo também foi aberta após uma denúncia semelhante de outra cliente da Zara, mas ainda está em fase de apuração.



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.