Publicado em 14/07/2020 às 16h19.

Ministério Público denuncia Sarí Corte Real por abandono de incapaz

A primeira-dama de Tamandaré (PE) é acusada pela morte de Miguel Otávio, de 5 anos, que caiu do 9º andar do prédio de luxo onde Sarí mora

Redação
Foto: Reprodução Rede Globo
Foto: Reprodução Rede Globo

 

O Ministério Público de Pernambuco (MP-PE) denunciou a primeira-dama de Tamandaré, Sarí Corte Real, por abandono de incapaz. Também empresária, Sarí é acusada pela morte de Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que caiu do 9º andar do prédio de luxo onde ela mora.

A esposa de Sérgio Hacker (PSB) era patroa da mãe de Miguel, Mirtes Renata da Silva, que deixou o menino sob os cuidados de Sarí para passear com o cachorro da família. O garoto foi deixado sozinho no elevador, que parou no 9º andar, passou por uma corta fogo e escalou uma janela de 1,20m.

Em reconstituição, a perícia concluiu que a morte foi “acidental, e não provocada”. O termo indica que ele não se jogou de propósito, nem foi empurrado.

No dia da queda, Sarí Corte Real chegou a ser autuada em flagrante por homicídio culposo. A primeira-dama pagou fiança de R$ 20 mil e foi liberada.

De acordo com informações do site JC, o processo foi encaminhado à 1ª Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente de Recife. O promotor responsável, Eduardo Tavares, solicitou ainda agravante de pena, devido à conjuntura de calamidade pública na qual o crime aconteceu. O processo corre sob sigilo.

Se o juiz responsável aceitar a denúncia, Sarí Corte Real terá dez dias para apresentar sua defesa. A partir de então, a Justiça marcará audiência de instrução e julgamento do caso. Nesse momento, testemunhas de defesa e acusação serão ouvidas em juízo.

Sarí deve responder ao processo em liberdade. Se condenada por abandono de incapaz, poderá pegar de 4 a 12 anos de reclusão.