Publicado em 28/06/2016 às 18h00.

Operação sequestra R$ 20 milhões do tráfico em Foz do Iguaçu

Ação deflagrada pela Polícia Federal nesta terça-feira mira a venda internacional de drogas no Paraná, na região da fronteira Brasil-Paraguai

Jaciara Santos
operação aletria
A divisão de Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam) da Polícia Militar participou da ação (Foto: Divulgação)

 

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta terça-feira (28) a Operação Aletria de combate ao tráfico internacional de drogas em Foz de Iguaçu, no Paraná, região de fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Foram sequestrados pela Justiça três residências, cinco lotes, uma chácara, um motel, uma pedreira, sete caminhões, duas máquinas, dois barcos e seis automóveis, patrimônio avaliado em pelo menos R$ 20 milhões. Equipes da Receita Federal atuam em conjunto com a PF.

Estão sendo cumpridos quatro mandados de prisão preventiva, três de monitoração com tornozeleiras eletrônicas, oito de condução coercitiva e 14 de busca e apreensão. Os bens já sequestrados dos envolvidos somam R$ 20 milhões.

Foram ainda autorizados pela 5ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu três mandados de busca e apreensão de empresas suspeitas de contrabando e favorecimento ao tráfico. De acordo com a PF, durante a fase sigilosa da operação, nove pessoas foram presas em flagrante nos estados do Paraná, de São Paulo e Pernambuco. Foram apreendidos sete veículos, duas embarcações, um caminhão, uma carreta, 31 toneladas de alpiste contrabandeado, cinco armas de fogo, munições, 4,5 toneladas de maconha, 9 quilos de crack e uma prensa de cocaína.

A investigação apontou a existência de uma associação para o tráfico transnacional composta por pelo menos doze pessoas, entre elas um grupo que atuava na ocultação e administração de bens provenientes do tráfico. O dinheiro das drogas foi investido em imóveis, empresas, automóveis, caminhões e barcos, registrados em nomes de familiares e terceiros.

Segundo a polícia, o chefe da organização, um dos alvos da operação, atua há mais de dez anos no tráfico na região.