Publicado em 16/11/2015 às 07h14.

PF prende mais dois em nova fase da Lava Jato no Rio e na Bahia

Polícia Federal cumpre 18 mandados contra ex-funcionários da Petrobras

Reuters

O ex-gerente executivo da Área Internacional da Petrobras, Roberto Gonçalves, e Nelson Martins Ribeiro, apontado como operador, tiveram a prisão temporária decretada na nova etapa da operação Lava Jato, realizada na manhã desta segunda-feira (16), pela Polícia Federal (PF), por suspeita de participação no esquema criminoso de fraude, corrupção e desvio de dinheiro.

Ambos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. A previsão é de que eles cheguem ao local por volta das 19h desta segunda-feira. Esta nova fase da operação busca cumprir de 18 mandados judiciais tendo como alvo ex-funcionários da Petrobras investigados por recebimento de propina em contratos relacionados às refinarias Abreu e Lima e Pasadena.

Segundo comunicado da PF, a operação batizada de “Corrosão” tem como objetivo cumprir 11 mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão temporária e cinco mandados de condução coercitiva nas cidades do Rio de Janeiro, Rio Bonito (RJ), Petrópolis (RJ), Niterói (RJ) e Salvador.

Em uma outra frente da nova fase, a PF investiga atuação de um novo operador financeiro no esquema identificado como facilitador de movimentação de recursos indevidos pagos a membros da diretoria de Abastecimento da Petrobras.

“Os investigados responderão pela prática dos crimes de corrupção, fraude em licitações, evasão de divisas e lavagem de dinheiro dentre outros crimes em apuração”, disse a PF no comunicado.

A operação Lava Jato investiga um esquema bilionário de corrupção na Petrobras e em outros órgãos da administração pública, com o envolvimento de empreiteiras que formaram um cartel para obter contratos e pagavam propina a funcionários das companhias, a operadores que lavavam o dinheiro do esquema e a políticos e partidos.

PUBLICIDADE

Notícias relacionadas

Temas: Lava Jato , Petrobras , PF