Publicado em 01/05/2018 às 14h40.

Swissleaks: PF investiga 660 brasileiros com contas secretas

Entre os alvos, estão empreiteiros, donos de bancos e o apresentador Carlos Alberto Massa, o Ratinho

Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

A Polícia Federal vai aprofundar a investigação contra 660 brasileiros suspeitos de manterem investimentos secretos no HSBC da Suíça, três anos depois do vazamento de contas secretas no caso que ficou conhecido como Swissleaks.

De acordo com informações do Globo, fazem parte da lista 101 empresários ligados à construção civil e setor imobiliário, 100 da área industrial, 81 do setor financeiro e 35 dos transportes.

A Superintendência da PF em São Paulo vai investigar os principais nomes, entre eles o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, o banqueiro André Esteves (sócio do BTG Pactual), o presidente da Tecnisa Joseph Meyer Nigri, o dono da incorporadora Rossi Residencial Edmundo Rossi Cuppoloni, o ex-presidente da Galvão Engenharia Dario de Queiroz Galvão Filho, e o sócio da construtora Queiroz Galvão Carlos de Queiroz Galvão.

Também integram o rol de investigados pela Polícia Federal em SP o apresentador Carlos Alberto Massa, o Ratinho, e os donos do banco Tricury, José Roberto Cury e Jorge Cury Neto.

Caberá à Superintendência da PF no Rio de Janeiro cuidar dos casos dos empresários do setor de ônibus, liderados por Jacob Barata Filho. Também são alvos no Rio o empresário Carlos Francisco Ribeiro Jereissati e familiares.

Carlos é irmão do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). O parlamentar, contudo, não figura entre os investigados porque não foram localizadas contas vinculadas a ele.

Atuante no setor petroquímico, o empresário Lírio Albino Parisotto vai ser investigado pela PF no Amazonas. No Ceará, os alvos do inquérito serão a família do empresário Edson Queiroz Filho, que morreu em 2008, dona do grupo Edson Queiroz, afiliado da TV Globo no estado.