Publicado em 25/02/2020 às 17h01.

Doria: Bolsonaro passou de todos os limites ao culpar Rui Costa por morte de miliciano

Em Salvador para prestigiar o Carnaval, prefeito de São Paulo saiu em defesa da polícia da Bahia no caso Adriano da Nóbrega

Alexandre Santos / Breno Cunha
Foto: Tiago Cruz/bahia.ba
Foto: Tiago Cruz/bahia.ba

 

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu o trabalho da Polícia Civil da Bahia à frente da investigação do caso Adriano da Nóbrega, miliciano morto em confronto com forças de segurança do estado no dia 9 de fevereiro, em Esplanada (170 km de Salvador).

Em Salvador nesta terça (25) para prestigiar o Carnaval soteropolitano, Doria afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “passou de todos os limites” ao insinuar que o governo Rui Costa (PT) seria responsável por uma suposta execução do ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Especiais) e acusado de chefiar o Escritório do Crime, no Rio de Janeiro.

“A polícia da Bahia é uma boa polícia, e ela está fazendo o que deve fazer: investigar. A Polícia Civil que está fazendo a investigação aqui. Então, você não pode ter manifestações prévias sem a conclusão do inquérito. A polícia baiana é um apolicia respeitada. Agora o presidente Jair Bolsonaro, antes da investigação, acusar o governador da Bahia como mandante de um crime. Ele passou te todos os limites”, disse Doria em conversa com jornalistas no Campo Grande.

Na avaliação do tucano, o comportamento de Bolsonaro é “inconcebível” dentro de uma democracia. “Há que se respeitar os governadores e a governadora. Nós temos uma governadora [Fátima Bezerra, do PT, no Rio Grande do Norte] e 26 governadores. Nós entendemos que não há outra forma de você proteger a democracia do que trabalhar conjuntamente. Independentemente de visões partidárias ou ideológicas, nós temos que dialogar”, declarou o prefeito da capital paulista.

 

 

PUBLICIDADE