Publicado em 29/04/2016 às 20h00.

Aneel decide que a bandeira tarifária continuará verde em maio

Para os consumidores, não haverá mudanças, já que as contas de luz já estão sem cobrança extra desde este mês de abril

Agência Estado
conta luz 1
Imagem ilustrativa (Foto: Reprodução / Internet)

 

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu que a bandeira tarifária vai continuar verde em maio. Para os consumidores, não haverá nenhuma mudança, já que, desde abril, as contas de luz já trazem a bandeira verde, que sinaliza melhores condições de geração de energia elétrica e não traz nenhuma cobrança extra.

O órgão regulador informou que o Custo Marginal de Operação (CMO), indicador que demonstra o custo de geração da usina mais cara em operação em todo o país, ficou abaixo dos R$ 211,28 por megawatt-hora (MWh) em todas as regiões. Por isso, não foi preciso que a diretoria deliberasse sobre a manutenção da bandeira verde.

No mês passado, o indicador estava acima desse custo no Nordeste, o que, em tese, não permitiria o acionamento da bandeira verde. Porém, como havia um saldo positivo de R$ 2 bilhões na conta centralizadora das bandeiras tarifárias, que arrecada os recursos pagos por meio da conta de luz, aAneel decidiu que seria possível adotar a bandeira verde.

Agora, de acordo com a agência, a previsão é de um maior volume de geração eólica no Nordeste, o que deve dispensar o uso de termelétricas e reduzir o custo de geração na região para um nível abaixo dos R$ 211,28 por MWh.

Reservas – Esse é o segundo mês, desde a criação do sistema, em que a bandeira fica verde. De janeiro de 2015 a fevereiro deste ano, vigorou a bandeira vermelha e, em março, a amarela.

De acordo com a Aneel, contribuíram para a decisão a recomposição dos reservatórios das hidrelétricas, devido às chuvas, as sobras de energia, em razão da queda do consumo, e a entrada de novas usinas no sistema elétrico.

As bandeiras tarifárias são um sistema que sinaliza com precisão o custo real de geração de energia, e seu funcionamento é semelhante ao do semáforo. Quando a bandeira é verde, apenas as usinas mais baratas estão acionadas e, por isso, não há nenhuma cobrança extra na conta de luz.

Na bandeira amarela, é preciso usar térmicas com custo intermediário, e há cobrança de R$ 1,50 a cada 100 kWh de consumo. Já a bandeira vermelha possui dois patamares. No primeiro, com térmicas um pouco mais caras acionadas, o custo é de R$ 3,00 a cada 100 kWh; no segundo, quando praticamente todo o parque termelétrico está em funcionamento, a taxa é de R$ 4,50 a cada 100 kWh.



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.