Publicado em 09/07/2020 às 16h36.

Em nota, Federação das Indústrias defende venda de refinaria Landulpho Alves

Entidade avalia que entrada de um novo player estimulará novos investimentos e modernização da planta industrial

Redação
Foto: Divulgação/ Petrobras
Foto: Divulgação/ Petrobras

 

Um dos alvos de disputa entre o executivo federal e o Congresso Nacional, a venda pela Petrobras da refinaria Landulpho Alves-Mataripe (Rlam) recebeu o apoio da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb). “Entendemos o movimento de venda do controle da Rlam como positivo para o país e, especialmente, para a economia da Bahia”, afirmou a federação, em nota divulgada na quarta-feira.

A Fieb ressalta que a estatal petrolífera foca seus esforços na exploração no pré-sal, atividade mais rentável para a companhia e sem a participação da Bahia. “Acreditamos que a compra da Rlam por um player global, novo entrante no mercado de combustíveis brasileiro, torna provável a injeção de recursos na empresa, visando sua modernização/ampliação” avaliou, no documento.

O posicionamento dos representantes da indústria foi uma resposta à ação das mesas da Câmara dos Deputados e do Senado que pediram liminar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a venda das oito refinarias que Petrobras pretende se desfazer, entre elas a unidade baiana.

A Fieb ressalta que em junho de 2019 o STF concluiu, em votação plenária, não haver exigência de autorização legislativa para a alienação de subsidiárias, apenas das holdings (negócio principal) de uma estatal. “A proposta em curso de venda de refinarias, quebrando de fato o atual monopólio da Petrobras, foi anunciada em abril de 2019, com amplo conhecimento da sociedade, tendo sido respaldada pelo Conselho Nacional de Política Energética”,destaca a federação.