Publicado em 12/02/2020 às 09h34.

Fusão entre Carrefour e Makro poderá dar origem a gigante atacadista

Com operação, faturamento das duas bandeiras seria 66% superior ao da rede Assaí, segunda maior cadeia do formato

Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

O Carrefour informou na terça-feira (11), em comunicado ao mercado, que está em negociações para a compra de parte da operação do Makro Atacadista no país, informa o jornal Valor Econômico.

“As tratativas se intensificaram nos últimos dias, não havendo, no entanto, garantias de que a operação será celebrada”, afirmou o grupo no comunicado assinado por Sébastien Durchon, diretor vice-presidente de finanças do Carrefour.

A informação foi dada em resposta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que pediu esclarecimentos à companhia sobre reportagem do Valor Econômico publicada na sexta-feira, sobre as conversas em andamento.

O Carrefour afirma que a transação envolve “determinados ativos imobiliários e acessórios atualmente operados pelo Makro”.

No sábado, o Valor informou em reportagem em seu site que o grupo francês avaliou a compra do controle da rede de atacado no ano passado, e que agora considera possível a aquisição de parte das lojas que considera estratégica, como alguns pontos em São Paulo, localizados na zona oeste da cidade.

Maior rede do país

Se confirmada a operação, o autosserviço brasileiro verá nascer a maior rede datacadista do país, uma gigante com vendas em torno de R$ 50 bilhões. Esse valor representa uma diferença de cerca de R$ 20 bilhões da segunda coloca, a bandeira Assaí, do GPA , com faturamento de R$ 30 bilhões ao ano.

Com 75 unidades, a receita anual do Makro é de ordem de R$ 8 bilhões. Ainda segundo reportagem do jornal Valor Econômico, a empresa, porém, registra prejuízos operacional e líquido.

Ainda assim, o interesse do Carrefour pela rede de origem holandesa se deve ao fato de que existe pouca “canibalização” entre suas lojas com as do Atacadão. Outro motivo é que pode ser mais interessante financeiramente adquirir do que construir novas filiais.

PUBLICIDADE