Publicado em 02/07/2020 às 13h20.

Retomada de voos não depende só do aeroporto, diz Vinci Airports em resposta a trade hoteleiro

Concessionária divulgou nota em que rebate críticas por atraso em obras em pista do terminal

Alexandre Santos
Foto: Divulgação/Aeroporto de Salvador
Foto: Divulgação/Aeroporto de Salvador

 

A Vinci Airports, concessionária que administra o aeroporto de Salvador, divulgou uma nota nesta quinta-feira (2) em que explica os motivos do atraso nas obras de uma das pistas do terminal.

O comunicado é uma resposta ao presidente da Febha (Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação), Silvio Pessoa, que em entrevista ao bahia.ba na quarta (1º) criticou a demora para a conclusão das intervenções —o que, em sua avaliação, retardará a retomada de voos internacionais e, consequentemente, contribuiu para que o trade hoteleiro recuasse da decisão de começar a reabrir neste mês.

A previsão da concessionária é que os voos internacionais sejam restabelecidos no dia 1º de setembro.

“O aeroporto volta com 20 voos  já é um sinal de alento, mas também são poucos os voos. E outro grande problema é a pista do aeroporto principal. Apesar de estarmos 100 dias parados, não começaram ainda as obras. E, enquanto não tivermos uma pista de aeroporto principal, voos internacionais também não se programaram para um retorno aqui”, afirmou o dirigente na entrevista.

Na nota encaminhada ao bahia.ba, a Vinci Airports afirma que as obras em uma de suas pistas, destinadas a sanar problemas de infiltrações, embora esteja em “passo acelerado”, acabaram prejudicas pelo período chuvoso dos meses de abril e maio.

Também diz que o processo de retomada dos voos estrangeiros não depende somente da empresa, uma vez que as fronteiras aéreas do Brasil estão fechadas por decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Aviação Civil. Conforme publicação no Diário Oficial da última terça (30), a medida valerá por 30 dias.

“Vale lembrar que há alguns meses já havia uma previsão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Aviação Civil de somente liberar viagens internacionais na região Nordeste no mês de agosto, 60 dias após a reabertura das fronteiras, data que já foi prorrogada. Ou seja, mesmo que a pista estivesse liberada, não haveria voos internacionais no mês de julho. O retorno dos voos internacionais em Salvador não depende somente do Aeroporto”, diz a Vinci Airports no comunicado.

Leia a íntegra da nota da concessionária:

“O Salvador Bahia Airport vem a público esclarecer que a previsão de retomada dos voos internacionais na capital baiana é no dia 01 de setembro. A data é uma estimativa, pois o Brasil se encontra com as fronteiras fechadas até o final do mês de julho por conta de uma portaria do Governo Federal, e há possibilidade de renovação da mesma, como já foi feito anteriormente.

Vale lembrar que há alguns meses já havia uma previsão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Aviação Civil de somente liberar viagens internacionais na região Nordeste no mês de agosto, 60 dias após a reabertura das fronteiras, data que já foi prorrogada. Ou seja, mesmo que a pista estivesse liberada, não haveria voos internacionais no mês de julho.

O retorno dos voos internacionais em Salvador não depende somente do Aeroporto. Como é de conhecimento público, os principais destinos internacionais que têm voos a partir de Salvador – Europa, Argentina e Chile – estão atualmente com fronteiras fechadas para brasileiros, o que diminui a confiança do visitante estrangeiro em viajar para a Bahia, seja por voo direto ou com conexão. O retorno do turismo internacional andará de mãos dadas com o arrefecimento da pandemia de Coronavírus.

Informamos ainda que as obras da pista 10/28 para sanar as infiltrações causadas por alterações no lençol freático no entorno do Aeroporto andam a passo acelerado. Como é de conhecimento geral, os meses de abril e maio são o período de pico chuvoso na capital baiana, o que dificultaria a realização das intervenções programadas. Em 2020, inclusive, as médias históricas de precipitação para o período foram superadas. Em virtude dos fatos listados acima, a administração programou as intervenções da pista principal para o período entre junho e agosto. Caso houvesse demanda por voos internacionais, seria contemplado um intervalo nas obras para operações estrangeiros, assim como houve nos anos 2018 e 2019.”