Publicado em 19/10/2021 às 11h04.

‘Salvador precisa atrair eventos’, destaca vice-presidente da Abih-BA

Renata Prosérpio credita saída da Salvador Destination à falta de captação de eventos mesmo com Centro de Convenções novo na capital

Adriano Villela
Foto: divulgação GL Events
Foto: divulgação GL Events

 

A saída de 30 hotéis da Salvador Destination foi motivada pela falta de captação de novos eventos e por dificuldades para a entrada de novas pessoais e ideias diferentes na diretoria da associação. A avaliação foi feita ao bahia.ba pela vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih-Bahia), Renata Prosérpio.

“A gente tem uma retomada do turismo de lazer, mas o de negócios não retornou. Precisamos voltar a sediar eventos. Salvador tem um Centro de Convenções novíssimo e os eventos estão indo para outras capitais”, destacou a empresária, sócia do Casa Di Vina, em Itapuã. Fundada em dezembro de 2013, a partir de iniciativa do ex-secretário de Turismo do Estado Paulo Gaudenzi, a Salvador Destination tem o objetivo de atrair eventos para a cidade. É formada por agências, hotéis e outras empresas do trade.

A executiva confirmou que se os hotéis não conseguirem um “acordo aceitável” com a direção da Salvador Destination o segmento vai fundar outra associação.  Atualmente, dois estabelecimentos hoteleiros permanecem na associação. A vice-presidente da Abih-BA argumenta que, por falta de uma ação na captação, os hotéis procuraram um entendimento com a atual diretoria, mas as conversas não prosseguiram.

Em primeiro lugar, porque o segmento enxerga falta de transparência na execução financeira. A associação estaria com uma dívida de R$ 100 mil e uma auditoria identificou evidências de irregularidades, como a compra de passagens pela Salvador Destination em uma única agência.”Temos que dar ampla participação a quem quer contribuir. (priorizar uma única agência) é um coportamento contra os próprios filiados”, reclama Renata Prosérpio.

Um segundo entrave, que motivou a redação de uma carta divulgada pelos hotéis na segunda-feira (18), foi a mudança do estatuto que definia prazos de carência para novos entrantes votarem ou serem votados nas decisões da SD.  Segundo Renata Prosérpio, isso inibe a volta dos hotéis que começaram a se desfiliar em 2019.

“Só pode voltar para pagar. É um modus operandi absolutamente inaceitável”, completou. “Ninguém gosta de dar dinheiro a uma associação que não é transparente e ninguém pode entrar”.  A reportagem tentou entrar em contato com a Salvador Destination por email mas até o fechamento desta matéria não obteve retorno.



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.