Publicado em 30/04/2016 às 16h20.

Seminário discute perspectiva do setor químico baiano

O evento é promovido pela Federação das Indústrias da Bahia (FIEB) em parceria com o governo baiano

Redação
Foto: Manu Dias/ Gov BA
Foto: Manu Dias/ Gov BA

 

Os desafios e as projeções futuras de um setor que responde por 30% das exportações baianas e por 20% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual serão debatidos durante o seminário “Perspectivas do Complexo Químico da Bahia”, que acontece na segunda-feira (2), às 14h, na sede da Odebrecht, em Salvador.

O evento é promovido pelo Conselho de Petróleo, Gás e Naval (CPGN) da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) e apoio da Braskem e da Odebrecht.

Dados da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) mostram que no primeiro trimestre de 2016 a produção nacional do setor caiu 0,93% em comparação ao mesmo período do ano anterior. As vendas internas também declinaram, atingindo o índice de 6,69%, nos três primeiros meses do ano.

Ainda de acordo com a Abiquim, as intenções de investimentos para um período de seis anos caíram para menos da metade no setor de produtos químicos de uso industrial, que planeja investimentos de cerca de US$ 5,4 bilhões no Brasil de 2015 a 2020, o que representa queda de 56,1% em relação às intenções de investimentos para o período entre 2014 e 2019.

O painel “Perspectivas e Potencialidades da Indústria Química na Bahia” busca apresentar possíveis medidas para a retomada da atividade econômica. A discussão será mediada por Humberto Rangel, diretor de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Enseada Indústria Naval e coordenador do CPGN.

Os interessados podem se inscrever pelos telefones (71) 3879-1743 / 3879-1488. As vagas são limitadas.



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.