Publicado em 09/10/2019 às 13h28.

Festival de Forró fora de época agita Chapada Diamantina no feriado

Idealizador do Festival, Targino Gondim, conversou com o bahia.ba e afirmou: “não importa a época, o forró tem palco e tem público o ano todo”

Bianca Rocha
Foto: Redes Sociais/Targino Gondim
Foto: Redes Sociais/Targino Gondim

 

Quem acha que forró só se curte uma vez por ano está muito enganado. Nesta semana, entre os dias 10 e 12 de outubro, acontece a terceira edição do Festival de Forró da Chapada Diamantina, no município de Mucugê, a cerca de 500 quilômetros de Salvador.

O evento é inteiramente gratuito. Conta com várias atrações de forró, nacionais e locais, além de oficinas de sanfona e aulas de dança. O cenário da cidade e das belezas da Chapada Diamantina também compõe o evento.

O idealizador e curador do evento, Targino Gondim, conversou com o bahia.ba e contou que a escolha da cidade foi estratégica. “Sempre fui muito apaixonado por Mucugê. Sempre que passava, fazendo shows, admirava a geografia da cidade. As praças, as casas, as pessoas a natureza, tudo me encantava…”, contou o artista.

Targino ainda não tinha feito show na cidade, quando decidiu fazer a primeira edição do festival. Ao passar um tempo conhecendo a cultura de Mucugê, recebeu a proposta para tocar por lá. “Disse que não podia fazer o show durante o São João, pois é uma época muito corrida. Às vezes faço três shows em uma noite. Sugeri que fizéssemos uma festa em um mês totalmente fora da época.”, disse o forrozeiro. Ele escolheu a data do aniversário para a primeira edição do evento que, segundo ele, desde o início foi um sucesso.

A raiz de Targino é Luiz Gonzaga e Dominguinhos, ele disse que não gosta de delimitar o estilo de forró que ele toca. “Eu toco forró. Hoje não chamo mais o meu forró de pé-de-serra, para evitar essa limitação. Como curador do festival, tenho a responsabilidade de saber quem chamar para se apresentar no evento.”, disse. Ele contou que procura por artistas que sempre estiveram ao lado dele. “Tato, da Banda Falamansa, Mestrinho e Nastássia, que é parceira musical de Dominguinhos. Tem também o Quinteto Sanfônico, que está comigo desde a primeira edição.”, enfatizou.

Segundo o artista, o festival traz nomes novos do forró para que sejam conhecidos. “O objetivo é fazer que os novos forrozeiros tenham a possibilidade em mostrar o trabalho deles. Além disso, o festival é um mix de novidades: temos atualmente até DJs de forró e alguns deles vão se apresentar durante os dias de evento. O interessante é ir e conhecer esses artistas que estão fora da mídia.”, conta Targino.

A cidade de Mucugê, durante o Festival de Forró da Chapada, tem um aumento considerável de turistas. Para a edição de 2019 estão confirmados artistas como o Quinteto Sanfônico do Brasil, Gel Barbosa, Marquinhos Café, Rennan Mendes e Nádia Maia, além de nomes nacionais como Tato, da Banda Falamansa.

O evento atrai não apenas forrozeiros baianos, mas também de diferentes estados brasileiros e músicos já consagrados, cantores, compositores, produtores, empresários, técnicos, estudiosos, comunicadores e amantes do forró.

PUBLICIDADE