Publicado em 27/01/2020 às 16h20.

Goleiro Bruno: sociedade ‘cobra ressocialização’ do preso, mas não dá oportunidades

Ex-goleiro foi recusado por dois clubes recentemente

Redação
Foto: Reprodução / Record
Foto: Reprodução / Record

 

Em entrevista à TV Record, o goleiro Bruno, condenado pela morte da ex-namorada, Eliza Samúdio, fez um desabafo sobre ser impedido de voltar a jogar futebol.

Segundo ele, a mesma sociedade que cobra a ressocialização impede que presos voltem ao mercado.

“A sociedade é a primeira a cobrar daquela pessoa que ela tem que voltar a trabalhar. A ressocialização de um preso… a sociedade também é responsável por isso. Mas ao mesmo tempo que ela cobra que o indivíduo tem que voltar a trabalhar, ela não dá oportunidade”, disse.

Atualmente em regime semiaberto, Bruno ainda afirmou que considera ter cumprido o que a Justiça determinou – ele foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão acusado de ser o mandante do crime.

“Eu cumpro essa pena. De toda essa história, eu posso afirmar que eu paguei esta cadeia. Eu paguei esta conta”, afirmou.

PUBLICIDADE