Publicado em 27/11/2020 às 18h00.

Alexandre de Moraes prorroga inquérito que apura interferência de Bolsonaro na PF

Relator do inquérito determinou ainda que a PGR se manifeste sobre a necessidade de depoimento do presidente, que desistiu de depor

Redação
Alexandre de Moraes, ministro do STF (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Alexandre de Moraes, ministro do STF (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

 

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou em 60 dias o inquérito aberto para investigar se houve tentativa de interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal. Em despacho nesta sexta-feira (27), o relator do inquérito determinou também que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre a necessidade de depoimento do presidente.

Na quinta-feira (26), o chefe do Executivo afirmou que desistiu de depor no inquérito. A PGR deve dar um parecer sobre o caso dentro de cinco dias. A partir disso, Moraes deverá decidir se atende à dispensa do depoimento e se mandar o inquérito para a Polícia Federal concluir as investigações. As informações são do G1.

De acordo com a publicação, o inquérito foi aberto em abril, depois de o então ministro da Justiça, Sergio Moro, ter acusado Bolsonaro de tentar interferir na corporação. O então diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, teria sido demitido com o objetivo de proteger familiares e aliados de Bolsonaro. O presidente nega as acusações.