Publicado em 09/11/2020 às 18h20.

CNJ quer criar comitê cibernético para assegurar sistemas eletrônicos da Justiça

Ministro Luiz Fux, presidente do CNJ, afirmou que modelo ainda está em discussão com assessores e deverá ser formalizado nesta terça

Redação
Foto: Divulgação/STF
Foto: Divulgação/STF

 

Após ataque hacker no sistema do Superior Tribunal de Justiça (STJ) na última terça-feira (3), o Conselho Nacional de Justiça anunciou a criação de um comitê cibernético para garantir a segurança dos sistemas eletrônicos dos tribunais. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (9) pelo ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ.

De acordo com informações do G1, o ministro afirmou que ainda discute o modelo com assessores e nesta terça-feira (10) deverá ser formalizado, em reunião do conselho.

“Sem prejuízo, o evento desse fim de semana trouxe uma preocupação maior. E que nós nos debruçamos, junto com o ministro Humberto Martins. Já amanhã, o CNJ vai dar uma resposta a isso. Nós estamos criando, vamos criar um Comitê Cibernético de Proteção à Justiça Digital do Poder Judiciário, com parceria de todas as entidades que têm expertise sobre esse tema. Então, todas entidades que fizeram parceria com o ministro Humberto Martins farão com o CNJ”, afirmou o ministro.

Segundo Fux, o objetivo do trabalho é criar mecanismos para evitar danos no sistema como o que ocorreu no final de semana. Por causa do ataque de terça, o sistema ficou fora do ar e os trabalhos foram suspensos. A estimativa é que 12 mil processos deixaram de ser julgados.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.