Publicado em 09/11/2019 às 08h20.

Decisão do STF não afeta Nardoni, Richthofen e estupradores

A decisão do Supremo não se aplica a quem teve a prisão preventiva decretada

Chayenne Guerreiro
Foto: Alex Silva/AE
Foto: Alex Silva/AE

 

Pedófilos, estupradores e outros presos por crimes emblemáticos, como Alexandre Nardoni, Suzane von Richthofen e o goleiro Bruno, não serão afetados pela decisão do Supremo Tribunal Federal que proibiu execução provisória da prisão após condenação em segunda instância.

A decisão do Supremo não se aplica a quem teve a prisão preventiva decretada, como acontece com pessoas que são consideradas perigosas ou que podem fugir, por exemplo.

É esse o caso de Nardoni, Richthofen, do goleiro Bruno e do ex-deputado Eduardo Cunha, que foram presos preventivamente e, por isso, não responderam aos processos em liberdade. Além disso, o STF proibiu a antecipação da pena, mas a prisão preventiva ainda cabe. Se o sujeito é considerado perigoso e foi condenado em segunda instância, ele continua preso.

PUBLICIDADE