Publicado em 16/09/2020 às 10h43.

MPF diz que Pastor Everaldo era “proprietário” do governo do Rio

O pastor está preso desde o dia 28 de agosto

Redação
Foto: Divulgação/PSC
Foto: Divulgação/PSC

 

A Procuradoria Geral da República (PGR), responsável pelo afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e pela prisão do presidente nacional do Partido Social Cristão (PSC), Pastor Everaldo, concluiu que o pastor agia como “proprietário” do governo do Rio por operar a máquina do governo com indicações de seus afilhados políticos para cargos em órgãos estratégicos do estado.

De acordo com o portal IG, na denúncia, a subprocuradora Lindôra Araújo apontou que o pastor Everaldo seria o responsável por gerenciar as contratações e o orçamento da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e da Secretaria da Saúde.

O pastor está preso desde o dia 28 de agosto, acusado por formar organização criminosa. A mesma denúncia recai sob Wilson Witzel.  Tanto a defesa do pastor, quanto a de Witzel, dizem que não há provas da existência de um grupo criminoso.