Publicado em 27/03/2017 às 16h20.

PF tem cinco dias para se manifestar sobre vídeo da condução de Lula

Prazo foi dado à corporação pelo juiz Sérgio Moro, em resposta à defesa do petista, que quer impedir uso da suposta gravação em filme sobre a Lava Jato

Redação
 Foto: MAURICIO CAMARGO/ELEVEN/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: Muarício Camargo / Eleven / Estadão Conteúdo

 

A Polícia Federal tem cinco dias para se manifestar sobre um vídeo que supostamente teria sido gravado em março do ano passado durante a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva . O prazo foi dado à corporação, na sexta-feira (24), pelo juiz Sérgio Moro e atende a pedido da defesa do petista, no sentido de que as imagens não sejam utilizadas no filme “Polícia Federal – A lei é para todos”, da produtora carioca New Group & Raconto e associados.

De acordo com os advogados de Lula, o uso do suposto vídeo tem como objetivo “macular” a imagem do ex-presidente “perante a sociedade”.

Embora tenho solicitado à PF que se manifeste, Moro adiantou que “não cabe a este Juízo impor censura a veículos de comunicação ou mesmo à produção de algum filme”. Ele também põe em dúvida a informação de que a corporação teria cedido imagens à produtora: “Não consta que qualquer gravação efetuada durante a diligência de condução coercitiva tenha sido disponibilizada à produção do filme ou a qualquer veículo de imprensa. Se o último fato tivesse ocorrido, aliás, provavelmente tais imagens já teriam sido publicizadas.”

Com um custo estimado em R$ 12 milhões, o longa é anunciado como  “um thriller policial político inspirado em fatos reais”.

PUBLICIDADE