Publicado em 11/08/2022 às 13h16.

Google lança recursos para aprimorar mecanismo de busca: ‘combater desinformação’

As novas funcionalidades vão permitir encontrar rapidamente o perfil da publicação que aparecer nos resultados da pesquisa

Redação
Foto: Divulgação/Google
Foto: Divulgação/Google

 

O Google anunciou nesta quinta-feira (11) uma série de recursos na Busca para facilitar o acesso a informações de fontes confiáveis em resultados de pesquisa. As novas funcionalidades, algumas previstas para chegar ainda este ano no Brasil, vão permitir encontrar rapidamente o perfil da publicação que aparecer nos resultados da pesquisa, e emitir um aviso aos usuários quando o conteúdo sobre um tema estiver mudando rapidamente. Neste último caso, a plataforma mostrará um alerta no topo da Busca quando houver interesse repentino por notícias de última hora ou assuntos sobre os quais ainda não há resultados de fontes confiáveis disponíveis no momento da consulta.

Os recursos foram criados a partir de sistemas avançados de refinamento de classificação da Busca, como o MUM (sigla em inglês para Modelo Unificado Multitarefa), que estão ajudando a aumentar o destaque para os resultados que trouxerem informações relevantes vindas de fontes confiáveis. Com eles, as pessoas terão mais contexto para decidir qual é o resultado mais útil e confiável para sua pesquisa.

Um levantamento inédito do Poynter Institute e YouGov, apoiado pelo Google e realizado em sete países – incluindo o Brasil -, constatou que o consumo de informações falsas vem preocupando pessoas em diversas partes do mundo. Entre os brasileiros, mais de quatro em cada dez (44%) afirmam acessar todos os dias informações falsas ou deturpadas; enquanto dois em cada três entrevistados no país (65%) se preocupam com que eles ou seus familiares acreditem nesse tipo de informação.

A pesquisa também mostrou que a maior parte dos brasileiros possui o hábito de checar a veracidade das informações que encontram na internet. Dois em cada três (66%) afirmam checar a fonte, enquanto 59% dizem que verificam a data da publicação. O Brasil foi ainda o país onde mais respondentes afirmaram usar as ferramentas de busca para verificar informações suspeitas (55%), ficando à frente de Nigéria (51%), Estados Unidos (42%), Reino Unido (40%), Índia (38%), Alemanha (36%) e Japão (13%). Veja neste link mais dados da pesquisa.

“As pessoas recorrem ao Google todos os dias para obter informações nos momentos mais importantes. Às vezes, para procurar a melhor receita para o jantar; outras, para verificar os fatos sobre uma afirmação que ouviram de um amigo. Não importa o que você esteja procurando, nosso objetivo é conectar você com informações de alta qualidade e ajudá-lo a entender e avaliar essas informações. Temos investido na qualidade da informação e na alfabetização informacional na Busca e no Google Notícias, e hoje temos algumas novidades sobre esse importante trabalho”, escreveu o vice-presidente global da Busca do Google, Pandu Nayak, em post publicado nesta quinta-feira.

*Pesquisa realizada pela Poynter Institute for Media Studies, sua iniciativa de educação para mídias digitais, MediaWise, e YouGov Inc., com apoio do Google. Foram entrevistadas 8.585 pessoas de sete países: Alemanha, Brasil, Estados Unidos, Índia, Japão, Nigéria e Reino Unido.

Confira abaixo os novos recursos da Busca para combater a desinformação:

Mais contexto sobre as fontes

Em breve no Brasil, a função ‘Sobre esta página’, no app do Google, vai oferecer mais informações sobre a fonte da publicação. Para ativar o recurso, basta deslizar para cima na barra de navegação em qualquer página.

Nos próximos meses, o Google também vai expandir para a versão em português da Busca o recurso ‘Sobre este resultado’, que permite obter mais contexto sobre qualquer resultado antes de visitar a página da web. A função chegará ainda para mais sete idiomas: alemão, espanhol, francês, holandês, indonésio, italiano e japonês.

O recurso ‘Sobre este resultado’ vai trazer ainda informações sobre a fonte da publicação, quão amplamente ela circula, suas avaliações on-line ou mesmo quando os sistemas não conseguirem encontrar muitas informações sobre ela.

Aviso para resultados que mudam rapidamente

Às vezes, o interesse repentino por uma notícia de última hora acontece antes mesmo que haja publicações confiáveis sobre aquele fato. Nessas ocasiões, nem sempre as informações publicadas primeiro ou mais rápido são as mais confiáveis. Para lidar com essa questão, os sistemas da Busca foram aprimorados para identificar momentos em que um assunto está ganhando importância sem que as fontes confiáveis, como veículos jornalísticos e de autoridades públicas, tenham se pronunciado sobre ele. Por isso, a plataforma mostra um aviso indicando que a melhor alternativa é pesquisar a informação novamente mais tarde, quando provavelmente haverá dados vindos de uma ampla gama de fontes.

O objetivo é oferecer mais contexto sobre os resultados da pesquisa, de modo que as pessoas avaliem com mais confiança as informações que encontram na internet. O recurso está disponível no Brasil.

Em breve, os avisos de conteúdo também serão expandidos para oferecer mais contexto para resultados que os sistemas identificam como de baixa qualidade.

Novas melhorias na qualidade dos resultados em destaque

Os trechos em destaque são as caixas descritivas que aparecem na parte superior da página após uma consulta na Busca. Com as atualizações, quando o sistema de classificação do Google identificar a possibilidade de premissas falsas sobre determinado assunto, o trecho em questão não será mais destacado nos resultados da pesquisa.

Isso é possível graças ao mais recente modelo de inteligência artificial MUM, que permite ao sistema de classificação do Google identificar quando há um consenso sobre o que as fontes confiáveis na internet estão falando de determinado assunto. Por enquanto, este recurso ainda não tem previsão de chegada ao Brasil.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.