Publicado em 17/07/2022 às 18h30.

OMS e Unicef dão ‘alerta vermelho’ para vacinação infantil: ‘Maior queda contínua’

Segundo relatório, vacinação em crianças despencou em 30 anos

Redação

 

Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgou um relatório que indica uma queda brusca na vacinação infantil em quase 30 anos. Segundo o levantamento, a Covid-19 e a desinformação são as prováveis causas para essa queda. 

De acordo com a pesquisa, a proporção de crianças que recebem as três doses da vacina contra a difteria, o tétano e a poliomielite (DTP) caiu de 86% em 2019 para 81% em 2021. 

Para Catherine Russell, diretora executiva do Unicef, a situação é um sinal de alerta para a saúde infantil. 

“Estamos assistindo à maior queda contínua da imunização infantil em uma geração”.Para ela a diretora,  “as consequências serão medidas em número de vidas.”

Entre os motivos da queda estão desde os aumentos da desinformação e problemas de oferta a cuidados relacionados à pandemia de covid-19.

A expectativa é que a partir de 2021 haja uma recuperação, mas as taxas de vacinação continuaram caindo em todas as regiões do mundo. O relatório aponta que a baixa cobertura levou a surtos evitáveis de sarampo e poliomielite nos últimos 12 meses.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.