Publicado em 20/11/2015 às 08h16.

União Europeia discute em Bruxelas resposta à ameaça terrorista

Agência Brasil

Os ministros do Interior da União Europeia (UE) discutem nesta sexta (20), em Bruxelas, na Bélgica, medidas de combate à ameaça terrorista, em uma reunião extraordinária convocada depois dos atentados de Paris.

A reunião do Conselho de Justiça e Assuntos Internos vai debater as respostas operacionais imediatas que devem ser tomadas, como o registro de nomes dos passageiros europeus, reforço do controle das fronteiras externas da UE, os novos regulamentos para as armas de fogo e o combate ao financiamento de terroristas, entre outras.

A necessidade de “fortificar” o acesso ao espaço Schengen, de livre circulação de pessoas, ganhou ainda mais peso depois da confirmação de que o suposto “mentor” dos ataques de 13 de novembro em Paris, Abdelhamid Abaaoud, foi morto numa operação feita quarta-feira (18). Ele chegou à cidade procedente da Síria, apesar de ter um mandado de captura internacional emitido pela Bélgica, sem que as autoridades francesas fossem avisadas por qualquer outro Estado-Membro.

A Comissão Europeia descarta alterações às regras de Schengen, nem quer que seja aberta uma discussão sobre o que continua a classificar como “o maior feito do projeto de integração europeia”. Admite, no entanto, que há aspectos que podem e devem ser melhorados em relação ao controle nas fronteiras externas.

A França, que decretou estado de emergência após os ataques, reclama uma resposta eficiente, rápida e coordenada da União Europeia. O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, voltou a pedir à UE que adote urgentemente medidas que permitam o acesso e a partilha de dados sobre passageiros de companhias aéreas.

“Mais que nunca, é tempo de a Europa adotar a medida para garantir que se possa seguir os movimentos, inclusive dentro da União. É uma condição para a nossa segurança coletiva”, afirmou nessa quinta-feira.

Pelo menos 129 pessoas morreram nos diversos ataques simultâneos de sexta-feira à noite em Paris, reivindicados pelo Estado Islâmico, que tiveram como foco uma sala de espetáculos, bares, restaurantes e o Stade de França.

PUBLICIDADE

Notícias relacionadas