Publicado em 01/06/2020 às 11h08.

Deputado pede que governo federal reconstrua 190 casas destruídas por rompimento de barragem

Situação das mais de 2 mil pessoas desabrigadas é agravada pelo coronavírus

Redação
Luiz Felipe Fernandez/bahia.ba
Luiz Felipe Fernandez/bahia.ba

 

O deputado federal João Roma (Republicanos) vem articulando junto ao governo federal para que seja iniciada a reconstrução de 190 casas destruídas pelo rompimento da Barragem do Quati em Coronel João Sá, no Nordeste da Bahia.

A tragédia completa um ano em julho e, por enquanto, segundo Roma, a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil ainda não deu posição sobre o projeto de reconstrução das residências, cujo investimento gira em torno dos R$ 22 milhões.

De acordo com o deputado, mais de 2 mil pessoas continuam desabrigadas no município e são obrigadas a conviver em casas de parentes ou moradias coletivas. O número equivale a 12,5% da população da cidade, que foi a mais atingida pelo rompimento da barragem.
“Essa situação, que já é grave, fica ainda mais acentuada por conta da pandemia do coronavírus, pois estas pessoas são obrigadas conviver com aglomerações e, assim, ficam mais expostas a uma possível contaminação em escala”, ressaltou.

A prefeitura da cidade também entrou com uma ação pedindo celeridade na decisão para que a reconstrução das casas seja iniciada. De acordo com o prefeito Carlinhos Sobral, o município entrou com a contrapartida no valor de R$ 129.559,23, com a aquisição de um terreno. O local será denominado “Loteamento 11 de julho”, em referência à data da tragédia, com expectativa de 24 meses para conclusão das obras após a liberação dos recursos para a execução.

Caso

O rompimento da Barragem do Quati, que fica no município de Pedro Alexandre, na divisa com Sergipe, ocorreu no dia 11 de julho. A estrutura, que faz a contenção da água do Rio do Peixe, se rompeu após fortes chuvas que atingiam a região no período, atingindo centenas de famílias em Pedro Alexandre e, principalmente, em Coronel João Sá. Ninguém morreu na tragédia, mas o rompimento afetou direta e indiretamente em torno de 14 mil pessoas nos dois municípios.