Publicado em 06/03/2016 às 08h20.

OAS teria repassado R$ 255 mil clandestinamente para campanha de Rui

Revista Veja diz que a Polícia Federal já colheu nota fiscal que supostamente simula serviço da empresa Pepper Comunicação

Redação
Ex-diretor da OAS, Bruno Dauster, empossado chefe da Casa Civil da Bahia | Foto Mateus Pereira/GOVBA
Ex-diretor da OAS, Bruno Dauster, empossado chefe da Casa Civil da Bahia | Foto Mateus Pereira/GOVBA

 

A Revista Veja desta semana aponta que a Polícia Federal teria colhido indícios de que parte do dinheiro desviado no esquema de corrupção da Petrobras teria financiado a campanha do governador da Bahia Rui Costa (PT).

De acordo com a publicação, uma nota fiscal apreendida aponta um repasse de R$ 255 mil da OAS, uma das empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato, para a empresa Pepper Comunicação, que trabalhou para o petista na eleição de 2014.

Segundo a reportagem, os investigadores teriam evidências de que a transação foi uma simulação de prestação de serviço para saldar clandestinamente dívidas da campanha do PT no estado.

Logo após vencer a disputa ao Palácio de Ondina, Rui Costa designou como seu secretário-chefe da Casa Civil o ex-diretor de desenvolvimento da OAS, Bruno Dauster. Ambos negam qualquer irregularidade ou envolvimento da construtora na indicação.

Ao bahia.ba, o governo baiano declarou ainda que não irá comentar a matéria da Veja e reafirmou que todas as doações ocorreram dentro da legalidade.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.