Publicado em 19/04/2016 às 16h49.

Senado vai instalar comissão de impeachment na segunda

Maior bancada da Casa, com 18 parlamentares, o PMDB terá direito a indicar o maior número de integrantes titulares: cinco

Evilasio Junior
Foto: Moreira Mariz/ Agência Senado
Foto: Moreira Mariz/ Agência Senado

 

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), decidiu nesta terça-feira (19) instalar a comissão especial que irá discutir o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) na próxima segunda (25). A decisão da Câmara dos Deputados, que aprovou a admissibilidade da ação no último domingo (17), foi lida no plenário da Câmara Alta do Congresso.

O peemedebista fixou o prazo de 48h para que as legendas escolham os seus representantes, sob pena de ele mesmo determinar os componentes. Maior bancada da Casa, com 18 parlamentares, o PMDB terá direito a indicar o maior número de integrantes titulares: cinco. Os blocos de apoio ao governo (PT e PDT), com 14 membros, e oposição (PSDB, DEM e PV), com 16, terão o direito de recomendar quatro nomes, cada. A ala Democracia Progressista (PP, PSD) e Socialismo e Democracia (PSB, PPS, PcdoB e Rede), ambas com dez legisladores, poderão indicar três. Apesar de contar com o mesmo número de congressistas, o bloco Moderador (PTB, PR, PSC, PRB e PTC) ficou com apenas duas indicações.

O grupo será composto por 21 titulares e 21 suplentes, conforme a proporcionalidade dos partidos, e terá dez dias corridos para apresentar um parecer, que será votado em plenário. A expectativa é de que o pleito aconteça no dia 17 de maio, uma terça-feira.

Caso o texto seja pelo afastamento e aprovado pela maioria simples dos parlamentares (42), a mandatária será afastada por 180 dias e assumirá em seu lugar o vice-presidente Michel Temer. Se o relatório não for acatado, a ação será arquivada. Caso o processo seja instaurado no Senado, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, assumirá o comando das sessões do julgamento.

A estimativa é de que o pleito definitivo ocorra no dia 21 de setembro. A votação final para considerar a petista “culpada” precisa ser ratificada por dois terços dos senadores (54 votos). Se isso ocorrer, além de perder o mandato, a presidente fica inelegível por oito anos. Caso seja absolvida, ela retoma o comando da República.

Conheça as indicações de integrantes já realizadas:

PMDB (5 vagas)

Não indicou oficialmente

Bloco da oposição (PSDB, DEM e PV – 4 vagas)

Titulares

Aloysio Nunes (PSDB-SP)
Antônio Anastasia (PSDB-MG)
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)

Suplentes

Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Bloco de apoio ao governo (PT e PDT)

Não indicou

Bloco Moderador (PTB, PR, PSC, PRB e PTC)

Titulares

Wellington Fagundes (PR-MT)
Zezé Perrella (PTB-MG)

Suplentes

Eduardo Amorim (PSC-SE)
Magno Malta (PR-ES)

Bloco Parlamentar Democracia Progressista (PP e PSD)

Não indicou

Bloco Parlamentar Socialismo e Democracia (PSB, PPS, PCdoB e Rede)

Não indicou.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.