Publicado em 06/12/2016 às 07h50.

Caça Fantasmas: prefeito eleito de Osasco é alvo de prisão preventiva

A operação investiga um esquema fraudulento de funcionários fantasmas na Câmara da cidade; golpe movimentou cerca de R$ 21 milhões

Redação
Foto: Reprodução / youtube
Foto: Reprodução / youtube

 

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP) deflagrou mais uma fase da Operação Caça Fantasmas, na manhã desta terça-feira (6), e decretou a prisão preventiva do prefeito eleito de Osasco (SP), Rogério Lins (PTN).

Além dele, há mais 14 mandados de prisão preventiva sendo cumpridos neste momento. O prefeito eleito não foi encontrado em seu endereço e possivelmente está em viagem fora do país; os outros são contra vereadores da Câmara Municipal de Osasco. A Polícia Militar também cumpre 15 mandados de busca e apreensão. A ação é feita em conjunto com a Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar (Rota).

A operação investiga um esquema fraudulento de funcionários fantasmas na Câmara de Osasco que movimentaram cerca de R$ 21 milhões. Há suspeitas de que os vereadores também captavam parte do salário dos servidores. A Justiça de São Paulo também deferiu o afastamento cautelar de 202 pessoas envolvidas no caso. Os presos estão sendo encaminhados para a Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes de Osasco.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.