Publicado em 12/01/2016 às 07h28.

Cerveró associa Lula a empréstimo sob investigação

Ex-diretor da Petrobras afirmou que Lula lhe deu um cargo em “reconhecimento” pela ajuda para quitar um empréstimo de R$ 12 milhões

Redação
Foto: Antônio Cruz / Agência Brasil

 

Em sua delação premiada, o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró disse que o então presidente Lula lhe deu um cargo, em 2008, em “reconhecimento” pelo auxílio prestado para quitar um empréstimo de R$ 12 milhões considerado fraudulento pela Operação Lava Jato, segundo a Folha de S. Paulo. Em 2004, o pecuarista José Carlos Bumlai conseguiu empréstimo do Banco Schahin e afirma ter repassado R$ 6 milhões para o empresário Ronan Maria Pinto, de Santo André (SP), que tinha informações comprometedoras sobre o PT na região, de acordo com a Lava Jato.

Anos depois, sob a gestão de Cerveró, a diretoria Internacional da Petrobras contratou a Schahin Engenharia – do mesmo grupo do banco – por US$ 1,6 bilhão para operar o navio-sonda Vitoria 10.000. O contrato seria, conforme as investigações, uma forma de o PT retribuir o empréstimo do grupo Schahin. Em 2008, Cerveró foi nomeado diretor financeiro e de serviços de uma subsidiária da Petrobras, a BR Distribuidora. Ele afirmou que Lula “decidiu indicar” seu nome para o novo posto “como reconhecimento da ajuda” por “ter viabilizado a contratação da Schahin como operadora da sonda”. O diretor da estatal disse ainda que havia no PT um “sentimento de gratidão” por ele.