Publicado em 26/01/2016 às 18h40.

Janot nega que haja distorção nas investigações da Lava Jato

Procurador-geral da República quebra o silêncio e rebate carta em que advogados de investigados criticaram condução da operação

Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Rodrigo Janot, procurador-geral da República Foto: José Cruz/Agência Brasil

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, rebateu nesta terça-feira (26) a carta na qual advogados de investigados da Operação Lava Jato criticaram a condução das investigações.

Janot disse que os advogados têm o direito de se expressarem, mas considerou o documento como técnica de defesa. Foi a primeira manifestação do procurador após a divulgação da carta.

“Não vi distorção alguma e também não ouvi ninguém negar o fato criminoso imputado a essas pessoas”, disse Janot a jornalistas, ao deixar sessão do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

No dia 15 de janeiro, mais de cem advogados publicaram em diversos jornais do país uma carta aberta em que criticaram a Lava Jato. Além disso, as defesas do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do empreiteiro Marcelo Odebrecht criticaram, por meio de petições, as degravações de depoimentos de delação premiada de investigados que os incriminaram.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.