Publicado em 08/12/2017 às 19h20.

MBL dá trégua a Neto e intensifica críticas a Rui

Um dos principais alvos, depois do governador, é o chefe da Segurança Pública, Maurício Barbosa

Alexandre Galvão

 

Foto: Reprodução / Facebook
Foto: Reprodução / Facebook

 

Depois de chamar o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), de “o poderoso chefinho” e atacar o ajuste do IPTU feito pela administração municipal, a sessão baiana do Movimento Brasil Livre (MBL) resolveu intensificar os ataques ao governador Rui Costa (PT).

No Facebook, o grupo tem desferido ataques diários ao petista e seus auxiliares. Um dos principais alvos é o chefe da Segurança Pública, Maurício Barbosa, chamado pelo grupo de “o contador de histórias”.  “Há 7 anos no cargo, é difícil entender como o secretário de segurança se mantém com números tão ruins”, diz o MBL ao ressaltar o número de assaltos a bancos em apenas quatro dias no estado.

Outro alvo do grupo que, na Bahia, tem dois vereadores tucanos como aliados, é a obra do Corredor Transversal 1, que ligaria os bairros de Lobato e Patameres, na capital baiana.

“[A obra] esbarrou não em um morro, mas em uma suspeita de corrupção. Aqui são R$ 43 milhões suspeitos de terem sido desviados do meu bolso, do seu bolso, para o bolso da corrupção”, protesta o coordenador do grupo, Eduardo Viana.

Os ativistas atacam até mesmo uma suposta plantação de maconha em uma horta dentro de colégio estadual. “Educação tamanho G: plantação de maconha é encontrada em colégio estadual de Salvador”, diz o texto. A escola disse que a “planta desconhecida” foi removida do local.

PUBLICIDADE

Mais notícias