Publicado em 13/07/2020 às 11h22.

Mesmo sem arrasta pé, São João ajudou a Covid

'Porque o São João tem também uma larga tradição de reencontro de famílias e amigos'

Levi Vasconcelos

Mesmo sem forró na praça, fogueiras e fogos, o São João está levando a culpa de ajudar a turbinar a Covid pelo interior afora. Tem a ver? Com a palavra Orlando Peixoto Filho (PT), o Orlandinho, prefeito de Cruz das Almas, que faz um das mais badaladas festas juninas da Bahia.

— Em parte, sim. Porque o São João tem também uma larga tradição de reencontro de famílias e amigos. Teve a visitas das pessoas, algumas festinhas nas ruas, mais em casa, o que ajudou a acelerar.

Diz Orlando que há outros fatores, como a própria interiorização da pandemia, mas o fato é que o número de casos, ontem em 187, cresceu 73%, e ele já decretou um isolamento social rígido, um irmão gêmeo do lockdown, a valer a partir de terça por sete dias.

Em Amargosa

Júlio Pinheiro (PT), prefeito de Amargosa, outro município que faz um São João dos mais afamados, vai na mesma pisada. Ele já decretou o lockdown para valer a partir de hoje, e diz que, na real, está mais se acautelando.

— Temos 76 casos com três óbitos. Parece pouco, mas o crescimento acelerou. Estou me acautelando.

Ele diz que muita gente voltando de São Paulo muito nos prejudica, mas apesar de ter reforçado as barreiras, o São João deu uma contribuição. Ivy Queiroz, da Vigilância Sanitária de Itaparica, também atesta.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.