Publicado em 25/06/2021 às 22h12.

Miranda confirma na CPI que Bolsonaro citou envolvimento de Ricardo Barros em escândalo

Deputado foi ouvido nesta sexta e disse que presidente declarou: "Isso é coisa de fulano", se referindo ao líder do governo na Câmara

Redação
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

Quase no final da sessão desta sexta-feira (25) da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid–19, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro citou nominalmente o líder do governo na Câmara dos Deputados, deputado Ricardo Barros (PP-PR), ao ouvir denúncias de irregularidades na compra da vacina Covaxin.

“O presidente entendeu a gravidade. Olhando os meus olhos, ele falou: ‘Isso é grave’. Não me recordo do nome do parlamentar, mas ele até citou um nome para mim, dizendo: ‘Isso é coisa de fulano’. E falou: ‘Vou acionar o Diretor-Geral da Polícia Federal, porque, de fato, Luis, isso é muito grave”, disse o deputado.

“O que que eu senti? Que o presidente, apesar de toda a força que ele demonstra, de tudo que a gente conhece, que ele, nesse grupo específico, não tinha força para combater. Ele deu a entender isso. Porque ele fala um nome, mas não tem certeza também. Ele diz: ‘isso é coisa do fulano. [Falando um palavrão], mais uma vez’. Dá um tapa na mesa”, continuou Miranda.

No entanto, ao ser questionado pela senadora Simone Tebet (MDB-MS), Luis Miranda finalmente confirmou que o nome citado era de Barros.

“Eu sei o que vai acontecer comigo. A senhora [Simone Tebet] também sabe que é o Ricardo Barros que o presidente falou. Foi o Ricardo Barros, que o presidente falou. Foi o Ricardo Barros”, afirmou Luis Miranda.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.