Publicado em 02/08/2020 às 15h00.

Palácio do Planalto segura nomeação de Valeixo há mais de três meses, diz coluna

Ele deixou direção-geral da PF em 24 de abril, quando foi publicada no Diário Oficial a exoneração "a pedido"

Redação
Foto: Reprodução/SBT
Foto: Reprodução/SBT

 

Quando se pergunta nos gabinetes de Brasília sobre a quantas anda a nomeação de Maurício Valeixo, o ex-diretor-geral da Polícia Federal (PF) que foi o pivô da crise que levou Sergio Moro a deixar o governo, para ser adido da corporação em Lisboa, a resposta é sempre a mesma: “Está encaminhada”. A informação é da coluna de Guilherme Amado, da revista Época.

Segundo a publicação, a nomeação está “encaminhada” há quase quatro meses — Valeixo deixou a direção-geral da PF em 24 de abril, quando foi publicada no Diário Oficial a exoneração “a pedido”, assinada por Jair Bolsonaro, que nunca havia sido a pedido.

Desde então, Valeixo está à espera da nomeação para a adidância. A papelada já está na Casa Civil há semanas e nada de Bolsonaro assinar.