Publicado em 09/07/2022 às 12h00.

Prefeitura diz que devolveu LDO à Câmara após ‘inconsistências’

O executivo municipal disse confiar que o Legislativo cumprirá seu papel institucional e apreciará a LDO dentro do prazo estabelecido

Cássio Santana
Foto: Antonio Queiros / CMS
Foto: Antonio Queiros / CMS

 

Após a Câmara de Municipal de Salvador (CMS)  devolver, na sexta-feira (8), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) à Prefeitura, apontando no documento ‘diversas inconsistências que precisam ser corrigidas’, a gestão municipal afirmou que, ainda na sexta, enviou o documento ao legislativo com as alterações solicitadas.

A votação da LDO se tornou o novo episódio da queda de braço entre a gestão municipal e o legislativo sob a presidência do agora pré-candidato a vice governador, Geraldo Jr. (MDB). Ex-aliado do prefeito Bruno Reis (UB), Geraldo Jr. agora compõe o grupo encabeçado pelo PT no estado.

Na manhã deste sábado (9), o vice-líder do governo na Câmara, vereador Kiki Bispo (União Brasil), criticou o fato do presidente da Câmara, Geraldo Jr. (MDB), ter decretado recesso parlamentar antes de votar a LDO, movimento que o edil classificou como ‘expressamente proibido’ pelo Regimento Interno da Casa.

Ainda na nota, a Prefeitura diz que confia que a Câmara cumprirá seu papel institucional e apreciará a LDO dentro do prazo estabelecido pelo Regimento Interno da Casa.

De acordo com a gestão municipal,  a LDO é de fundamental importância para a cidade, pois aponta os caminhos para os investimentos do Município em todas as áreas, em especial para os serviços essenciais, como saúde e educação.

 

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.