Publicado em 09/10/2019 às 10h25.

Rui diz que atos de vandalismo são ações de ‘bandidos’ ligados a Prisco

Governador reafirmou que nenhum policial militar aderiu a movimento grevista convocado pelo deputado estadual

Alexandre Santos / André Carvalho / Matheus Morais
Foto: Matheus Morais bahia.ba
Foto: Matheus Morais bahia.ba

 

O governador Rui Costa (PT) disse na manhã desta quarta-feira (9) que os atos de vandalismo registrados em Salvador são ações de “bandidos” ligados à “ação criminosa” liderada pelo deputado estadual Soldado Prisco (PSC). O petista voltou a afirmar que nenhum policial militar aderiu ao movimento grevista convocado pelo parlamentar.

“Não há adesão de nenhum policial. Nenhuma viatura deixou de ir à rua, nenhuma viatura deixou de circular, nenhum policial deixou de comparecer ao trabalho de ontem para hoje. O policiamento está na rua. Isso aí é a ação midiática, buscando a autopromoção e uma ação política organizada por um grupo político, com interesse político, eleitoreiro e partidário”, disse o governador, durante inauguração da UTI Infantil Cardiológica Cirúrgica do Hospital Ana Nery, no bairro de Caixa D’Água, na capital.

“Após um dia de de anúncio criminoso, nenhum policial aderiu a isso em nenhuma cidade da Bahia”, repetiu Rui, sobre o que já havia afirmado na noite anterior no programa Papo Correria.

Sobre ocorrências registradas na madrugada, dentre as quais tiros disparados contra ônibus e estabelecimentos bancários, Rui disse que são “atitudes criminosas de bandidos isolados”.

“Esses bandidos precisam ser identificados e entregues à Justiça. Não tem grupo de policiais. Isso é uma ação organizada pelo deputado. Uma ação criminosa, como ele responde há vários crimes na Justiça Federal e na Justiça estadual. Infelizmente, tem ambiência política para acolhimento de pessoas desse caráter e dessa postura”, disse.

O governador relacionou a ação de Prisco ao disparo em massa de fake news ocorrido nas eleições de 2018, que culminou com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República. “A greve só está no zap e nos grupos de zap que ele [Prisco] organiza. Infelizmente, a eleição do ano passado foi marcada por uma guerrilha de grupo de zap e, mais uma vez, se tenta atemorizar, amedrontar e ameaçar a sociedade com grupos de zap”, disse.

Costa afirmou ainda esperar uma resposta firme por parte dos Ministérios Públicos estadual e Federal diante da ação do deputado. “A Bahia não ficará de joelhos a políticos que, no passado recente, foram pegos com áudios ameaçando tocar fogo em ônibus escolar. A Bahia não merece isso. Os baianos não merecem isso, e nós não vamos ficar de joelhos para criminosos”, declarou o petista.

PUBLICIDADE