Publicado em 18/04/2022 às 06h31.

Acumulado de chuva em abril já chega a 51% da média histórica

Defesa Civil de Salvador (Codesal) recebeu 50 solicitações até a noite deste domingo (17)

Redação
Foto: Rayllanna Lima/bahia.ba
Foto: Rayllanna Lima/bahia.ba

 

A frente fria que chegou no último sábado (16) à capital baiana teve as chuvas intensificadas na madrugada de domingo (17), com risco para alagamentos e deslizamentos de terra. De acordo com a Coordenação de Monitoramento e Análise das Ações Climáticas e Sistemas de Alerta da Defesa Civil de Salvador (Codesal), em abril já choveu na cidade 145,4mm, o equivalente a 51% da média histórica do mês, que é de 284,9mm.

Os maiores acumulados de chuvas em 24 horas (atualizado às 17h30) foram registrados em São Cristóvão (84,8mm), Monte Serrat (68,7mm), Calçada (65 mm), Cajazeiras VIII (64 mm) e Matatu (61,3mm).

Neblina

Em algumas regiões de Salvador houve a formação de neblina, resultado da alta umidade na superfície, que condensa antes de chegar à atmosfera. Esta formação está geralmente sobre um lago, sendo raro de ocorrer na capital baiana. As informações são do Centro de Monitoramento de Alerta e Alarme da Codesal (Cemadec).

A previsão é de que, até a próxima quinta-feira (21), haverá em Salvador acumulados de chuvas expressivas e rajadas de vento. A tendência é de que as chuvas continuem até sexta-feira (22), reduzindo gradativamente de intensidade. O Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil (SMPDC) está em alerta e apto para atender às demandas solicitadas pela população.

Boletim

A Defesa Civil de Salvador (Codesal) recebeu 50 solicitações até as 20h30 deste domingo (17). Foram nove ameaças de desabamento, sete ameaças de deslizamento, uma árvore ameaçando cair, 11 avaliações de área, oito avaliações de imóveis alagados, um desabamento de blocos de pedreira, um desabamento parcial, oito deslizamentos de terra, três infiltrações e uma pista rompida.

Entre as principais ocorrências de hoje, a Codesal realizou vistoria em função de deslizamento de terra no Vale do Ogunjá, atrás do estabelecimento Auto Shopping Salvador. Segundo o laudo, o deslizamento provocou o desabamento da proteção superficial, atingindo o imóvel do requerente, causando danos materiais.

No instante da vistoria só estava presente o vigilante, devendo ser emitida notificação aos responsáveis nesta segunda-feira. Foi indicada a realização de estabilização da encosta com o acompanhamento de profissional habilitado pelos conselhos de Engenharia e Agronomia e de Arquitetura (Crea/CAU).

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.