Publicado em 19/11/2019 às 20h40.

Festa de Iemanjá pode se tornar patrimônio imaterial

O pedido do registro foi feito em fevereiro deste ano pela OAB-BA

Redação
Foto: Valter Pontes/AGECOM
Foto: Valter Pontes/AGECOM

 

Considerada a maior manifestação religiosa pública do candomblé na Bahia, a Festa de Iemanjá poderá se tornar patrimônio imaterial de Salvador.  A Fundação Gregório de Mattos (FGM), abriu o processo de estudo da festa para Registro Especial do Patrimônio Imaterial, visando a inscrição da festa no Livro do Registro Especial dos Eventos e Celebrações.

A notificação pública foi divulgada na edição do Diário Oficial do Município (DOM) desta terça-feira (19). O pedido do registro foi feito em fevereiro deste ano pela Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Bahia (OAB-BA). Em entrevista ao bahia.ba, o prefeito ACM Neto afirmou que torce para que data seja homenageada. “A lei do tombamento foi de autoria da minha gestão e que nós já fizemos o tombamento e tornamos patrimônio imaterial da cidade, alguns monumentos, alguns espaços, enfim. Eu não posso opinar politicamente porque existe uma comissão que julga isso, mas eu vou ficar torcendo”, explicou.

A próxima etapa do processo é a elaboração de um dossiê técnico em um prazo de até 18 meses, prorrogáveis por igual período. Em seguida, o dossiê estará disponível por 30 dias para manifestação da sociedade, para posterior encaminhamento ao conselho consultivo do patrimônio e ao prefeito.

Os passos seguintes são a publicação de um decreto pelo prefeito e posterior inscrição da festa de Iemanjá no livro de registro, além do recebimento do título de patrimônio cultural do Município. Após todas essas etapas, um plano de salvaguarda será elaborado com a participação dos pescadores da Colônia de Pescadores Z1, situada no Rio Vermelho.

A Festa de Iemanjá, divindade de origem africana, ocorre anualmente no dia 2 de fevereiro. Todos os anos uma enorme fila se forma na Colônia de Pescadores Z1 para a entrega de presentes à rainha do mar. A entrega é feita em centenas de balaios e conta também com o presente principal da colônia.

PUBLICIDADE