Publicado em 10/03/2017 às 12h45.

Cineasta é retirado de voo por agentes da Polícia Federal

Bruno Barreto, diretor de filmes de sucesso, protagonizou confusão no aeroporto de Congonhas e saiu da aeronave sob escolta

Redação
Bruno Barreto (Foto: Divulgação)
Bruno Barreto (Foto: Divulgação)

 

Diagnosticado com Síndrome do Pânico, distúrbio para o qual toma medicação, o cineasta Bruno Barreto – diretor de sucessos como “Dona Flor e seus dois maridos”, “O que é isso, companheiro”, entre outros – viveu momentos tensos nesta quinta-feira (9), no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Segundo o colunista Ancelmo Gois, de O Globo, a celebridade foi retirada do voo que o levaria ao Rio de Janeiro por agentes da Polícia Federal. Motivo: teria armado um barraco no avião por causa do sistema de ar-condicionado.

Segundo a coluna, ao embarcar no voo 1020 da Gol (São Paulo-Rio), Barreto reclamou de que o ar-condicionado não estava ligado e pediu aos comissários que abrissem a porta para ventilar. Como a aeronave estava em procedimento de decolagem, o pedido não foi atendido, dando origem à confusão. A Polícia Federal foi acionada e o cineasta retirado do avião.

“Entrei numa daquelas viaturas que transportam o pessoal da Lava Jato”, relatou o cineasta, que, ao final de tudo, elogiou o tratamento dispensado a ele pelos policiais.