Publicado em 13/03/2019 às 22h20.

Polícia acredita que tiroteio em escola de SP foi cuidadosamente planejado

Chefe da SSP disse que é possível confirmar alguns detalhes sobre o que ocorreu antes e durante do massacre no colégio

Redação
Foto: Amanda Perobelli/Reuters
Foto: Amanda Perobelli/Reuters

 

A tragédia que chocou o país nesta quarta-feira (13) e transformou a Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, a 57 quilômetros de São Paulo, em um cenário de guerra é um quebra-cabeça em fase de montagem. O tiroteio promovido por dois jovens provocou dez mortes e o mesmo número de feridos. A Polícia Civil busca compreender o crime e já sabe que houve um plano meticulosamente organizado.

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campos, disse que policiais coletam depoimentos e provas. Segundo ele, é possível confirmar alguns detalhes sobre o que ocorreu antes e durante do massacre no colégio.

No começo da manhã, Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, foram à locadora de Jorge Antonio Moraes, de 51 anos. Lá, eles atiraram contra Jorge, que era tio de Guilherme, e deixaram o local em um carro Chevrolet Onix branco roubado e seguiram para o colégio. Da Agência Brasil.

PUBLICIDADE